Páginas

sábado, 16 de janeiro de 2010

Um texto totalmente diferente sobre o Haiti


O povo do Haiti tem algum problema. Para além da destruição óbvia causada pelo sismo, têm problemas sérios.
Não só bastava ser um povo pobre, os habitantes acham por bem destruir toda a vegetação para obter lenha. Isto é a ignorância no seu estado puro. Destroem matas que, sem vegetação, deslizam à primeira chuvinha. É de interesse referir que o solo naquele local é bastante fértil e teriam reunidas as condições necessárias para não terem falta de alimento. Mas como são tão auto-suficientes, os indivíduos residentes naquelas terras acham que ter alimentos é totalmente desnecessário, mandando abaixo tudo o que é arvorezinha. Com isto conseguem a proeza de ficar sem recursos para lenha, ter cheias de lama avassaladoras e ausência de comida. São um povo inteligente.
Ainda mais interessante é avaliar a situação deste povo após a recente catástrofe. Ora, o meu ponto de vista frisa o seguinte:
- Vários países enviaram toneladas de comida para o Haiti para que os sobreviventes não morram de fome. A população, que é, peço desculpa pela expressão, uma grande maluca, decide assaltar e destruir tudo o que é armazém de ajuda. É uma ideia muito, mas muito, interessante. Já que lhes destruíram as casas e mais não sei o quê, "bora" lá também destruir tudo o que os possa ajudar. Isto também é válido para contentores de medicamentos e outros bem essenciais.
- [este segundo ponto é genial] Os "Haitienses" (esta palavra não existe. Pelo menos que eu tenha conhecimento.) são pessoas que gostam de rixas. Tudo o que tenha cacetetes e confusão é com eles. Não é que com a situação em que estão a viver, as pessoas lá do Haiti acharam divertidíssimo criar barreiras para impedir que os estrangeiros (que os estão a ajudar, que se note) de lhes poderem chegar. Isto é a prova da raríssima inteligência daquele povo. Agora perguntam vecês: "Mas fazem barreiras com quê, se está tudo destruído?" ao que eu respondo: Com corpos! É verdade. A população do Haiti é tão preocupada com o ambiente que até corpos de pessoas reciclam! Isto é bestial! É a reciclagem no seu ponto máximo. Espero que não comecem um negócio de manequins.
- O povo do Haiti é um daqueles povos magníficos que, caso alguém os tente ajudar, eles recusam a ajuda. Não estou a falar das ajudas do tipo: "se não fazes o que te digo, estripo-te de uma forma extremamente violenta", não. Falo do tipo de ajuda em que se explica que se não cortarem todas as árvores, têm terreno para cultivar e subsistir. Do tipo de ajuda (desta vez também financeira) em que se ensina a construir edifícios sem que estes, ao primeiro abanão pareçam pirâmides de cartas a ruir. Enfim, são um povo, vá lá, diferente.
- Como ver tudo destruído é tão interessante, os habitantes estão a aproveitar todo o tempo que podem para roubar o máximo possível. As suas preocupações desviam-se do objectivo de recolher o número máximo de corpos ou até mesmo procurar familiares e amigos. É muito mais importante saquear tudo e recolher jóias de escombros. Isto deixa-me sem palavras.

Pode parece que estou a ver o povo como inferior, mas não. Estou a limitar-me a constatar factos. A verdade é que se sente revolta por saber que se está a enviar tanto dinheiro, tanta ajuda humanitária para aquele lugar e as pessoas respondem com roubos e violência. É de alto relevo mencionar o facto de a população ter sido avisada com antecedência que haveria perigo de sismo naquele dia. É triste, mas é a realidade.

P.S.- Sim, entendo que no Haiti a miséria seja tanta que as pessoas só pensem numa maneira de sobreviver num ambiente tão hostil mas o facto é que se tivessem aceite ajudas previamente, estariam bem mais desenvolvidos.

2 comentários:

  1. Realmente a situação é algo calamitosa. Há coisas que não se entendem :S

    ResponderEliminar
  2. É mesmo!
    Eu entendo que hajam pessoas ali que estejam mesmo a sofrer (e muito!), mas também há muitas que eu não entendo!
    Com uma generalização estúpida, tomei o exemplo das pessoas que andam a fazer confusão como um todo.

    É uma generalização injusta? É.
    Mas é apenas uma verdade mais oculta sobre o que se passa naquele lugar. Só se fala da ajuda enviada blá blá blá, mas é importante referir que muita da ajuda é recusada ou roubada!

    "Pobres e mal agradecidos".

    ResponderEliminar