Páginas

domingo, 6 de junho de 2010

Notas e afins - parte 2.

     O critérios de avaliação da minha escola são a coisa mais estúpida que já se viu alguma vez. Ora vejamos:

       No primeiro período, a nota final é o resultado final de todos os critérios específicos da disciplina. (até aqui, tudo bem)
       No segundo período, a nota final atribuída é a média entre a nota final do primeiro e do segundo períodos. Ainda vamos no segundo período e já estamos mal. Mas que raio de mente iluminada é que teve esta ideia? Todos nós sabemos que os professores têm aquela mania completamente desapropriada de reduzir as notas do primeiro período, por ser o primeiro. Acham eles que baixando as notas nós nos sentimos mais motivados para melhorar. Isto é um pensamento absolutamente erróneo. Se me derem uma nota abaixo daquilo que eu mereço, eu deixo de trabalhar! É simples. Já se me derem aquilo que mereço (ou mais) sinto que se trabalhar mais um bocadinho consigo ainda melhor. E se não estou em erro, a maioria pensa como eu. Portanto, se as notas do período inicial estão baixas, a contar 50% vão baixar a nota final do segundo período. Maravilhoso.
       No terceiro e último período lectivo, a nota é a média aritmética dos 3 períodos. Agora pergunto-me? Quem foi o burro que se lembro disto? Porque carga de água entra a nota inicial nos períodos seguintes? Mais! Porque é que a nota do último período (aquele que resulta do esforço de todo o ano lectivo) vale tanto como a dos outros? Sabemos bem que é com o aproximar do fim que queimamos os últimos cartuxos para assegurar a hipótese de entrar na tão desejada faculdade. É obvio que por a nota inicial a contar duas vezes (porque entra por si e como elemento constituinte da nota que a si segue) nos prejudica imenso e desmotiva.


      Para concretizar o que digo, deixo um exemplo:
         Tive 13  português no primeiro período. Fiquei descontente com este resultado e comecei a estudar tal disciplina que nem uma maluca na esperança de ver melhorias. E elas surgiram, felizmente. Tive 15 e 16,5 nos testes do período seguinte. Que classificação final tive? 14. Porquê? Porque o 13 do primeiro período impediu-me de obter a recompensa do meu esforço.


     Espero não descobrir quem teve a ideia de estabelecer estes critérios, se não vou ter de gastar dinheiro a comprar uma navalha ou qualquer outro objecto cortante eficaz, para conhecer o interior dos pneus do veículo conduzido por tal pessoa.

8 comentários:

  1. Pensava que estarias mais interessada em conhecer o interior do coração de tal pessoa.

    ResponderEliminar
  2. com sorte corto os peneus, a pessoa estampa-se e eu ainda lhe consigo ver o coração.

    ResponderEliminar
  3. Concordo que os professores dêm nota mais baixa no 1º período e que o esforço dos alunos não esteja a ser valorizado porque os períodos têm todos a mesma percentagem. Sim, a nota do 1º perído só conta UMA vez, ao contrário do que muitos estudantes pensam.

    ResponderEliminar
  4. se tivesse lido o post talvez tivesse percebido que a nota do 1º período (que é sempre mais baixa) influencia a nota dos períodos seguintes, entrando duas vezes na nossa média.

    ResponderEliminar
  5. "O critérios". Este ainda não tinha apanhado!

    ResponderEliminar
  6. " Tive 13 português " - não faltará aí um "a"?

    ResponderEliminar
  7. é verdade que os professores têm mto essa mania de contar a nota do 1º periodo 3 vezes, sim, 3 (1º, 2º e 3º periodos são 3). e isso é estúpido e tal como quase todo o sistema de ensino está mal feito.

    quanto ao facto das notas inferiores no 1º periodo, resultou ou não? pelos vistos esforçaste-te mais no 2º..

    ResponderEliminar