Páginas

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Ciganos em Portugal

      Em sequência à expulsão de oito mil ciganos em França fizeram-se inquéritos, debates e reportagens em programas de televisão sobre o estado dos ciganos em Portugal, se os portugueses concordam com a medida francesa e se achavam correcto que fosse aplicada em Portugal.
      Em relação ao caso francês é importante ressalvar que muitos dos expulsos estão a sê-lo por serem ilegais no país. Todavia, não deixa de ser uma medida xenófoba porque acredito que esteja lá muito estrangeiro proveniente de muito sítio também em estado ilegal em França.
      Os programas e televisão e as opiniões que ouvi em Portugal só me deixam uma conclusão possível: estamos num país cheio de hipócritas. Passamos o ano inteiro a ouvir queixas porque os ciganos partem não sei o quê, roubam não sei que mais, matam este, espancam aquele e que deviam ir todos não sei onde. No entanto, quando se aproximam câmaras de televisão, passam a ser uma etnia a proteger por trazer riqueza cultural ao país.
       É óbvio que não se pode proceder a uma generalização abusiva: há indivíduos ciganos que são muito melhores pessoas que alguns portugueses. Ainda assim, basta pegar em alguns exemplos para perceber que há mesmo indivíduos que não merecem estar neste país (sejam eles ciganos ou não). Na terra onde tenho morado há um bairro quase totalmente habitado por ciganos sendo que alguns deles já cá chegaram depois de terem sido expulsos de outras cidades. Aqui eles violam, roubam, traficam, matam, espancam, agridem, enfim, espalham violência gratuita e que passa completamente impune. Mesmo com todas as mortes e agressões levadas à polícia, os agentes da autoridade nada fazem por medo dos agressores. Quando confrontamos os ciganos estes advogam que pertencem a outros costumes e que não são portugueses, são ciganos e têm direito à diferença deles. Ora, uma coisa é ser-se diferente, outra, completamente diferente, é ser-se marginal. Se não estão a trazer benefício nenhum ao país - até pelo contrário porque estão a ocupar casas pelas quais nem pagam renda - não vejo razão nenhuma para que estes ciganos aqui da zona não sejam expulsos do país. Já foram escorraçados de tanta cidade, é óbvio que esse legado de violência e crime não vai parar.
        E se acham que estou a exagerar, garanto que não estou. Há, de facto, mortes e violações nesta zona que ficam completamente impunes. Se os delinquentes não são só ciganos? Não, não são só ciganos. Mas todos os ciganos o são, aqui nesta cidade. Eles vão presos por dois dias e depois são postos em liberdade, vá-se lá saber porquê.
        E é contra este tipo de pessoas (que inclui bem mais que ciganos) que estou contra - aqueles que estão a viver à conta de contribuições e apoios de todo o lado e depois retribuem com criminalidade. No caso da etnia cigana o problema agrava porque eles são os primeiros a afirmar-se "não-portugueses".
         Ainda há aqueles bairros, construídos de propósito para estes grupos de ciganos que chegam ao nosso país e que respeitam os costumes desta etnia - casas rasteiras, arejadas e que permitam o contacto com a natureza. Quem habita estas casas ou não paga renda ou apenas lhes é cobrado uma quantia simbólica e ainda usufruem de apoios locais e não só. O certo é que o que mais não falta são reclamações destes indivíduos porque não têm condições de vida e porque as casas são de pobre construção. Mas final, o que querem? Uma suite por conta deles? Uma vivenda com piscina, massagista e mordomo? Se não querem pagar rendas têm de se contentar com o muito que já têm. Caso estejam descontentes, resta-lhes trabalhar - como faz ou tenta fazer o resto da população - e comprar ou alugar uma casa ao gosto deles. Basta seguir o exemplo de muitos ciganos que tão bem se adaptaram ao modo de vida português e que são óptimos cidadãos para além de estarem em casa própria e perfeitamente integrados.
        Assim, com base no que vejo na minha cidade todos os dias - e todas as noites porque a maioria da população tem medo de sair de casa por já ter visto o que acontece noite após noite - afirmo que há muitos indivíduos que, se ainda por cima não querem ser tratados como portugueses, não fazem falta ao país. Todavia, é errado generalizar e julgar a população cigana como um todo e não como um conjunto de casos individuais merecedores de estudo.

2 comentários:

  1. Fiquei espantada noutro dia, quando na televisão estava a haver um debate... Mas neste debate só se ouvia uma parte. Como convidados haviam 2 representantes ciganos, havia vários pontos de reportagem em comunidades ciganas e ligou uma senhora a defender os ciganos. Será isto um debate? Não me parece
    Acho incrível como vêm dizer para a televisão que trabalham, pagam as suas casas e, falo por mim, muitos deles preferem ficar nas ruas, a ganhar subsídios (muitos rondam os 900€!!!) sem trabalhar!
    Tinha perto de minha casa um descampado onde estavam várias carrinhas e onde haviam ciganos a provocar desacatos todo o dia. Foi chamada a polícia ao local mas sem efeitos práticos. Só ao fim de muitas chamadas eles lá mandaram a comunidade embora...
    Enfim, é o país que temos

    ResponderEliminar
  2. Exactamente! Assisti ao mesmo programa e a minha reacção foi a mesma! Não percebo que raio de treta foi aquela. Mas pronto, é mesmo.. a última frase do teu comentário diz tudo.

    ResponderEliminar