Páginas

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Toques de telemóvel

      É certo e sabido que odeio andar de transportes públicos. Gosto menos ainda de falar ao telemóvel dentro dum autocarro. Pior do que falar ou ter de ouvir as conversas alheias é descobrir, inevitavelmente, o toque escolhido pelo portador do instrumento de comunicação fácil.

     Regra geral - ou seja, cerca de noventa e nove por cento das vezes - tenho o meu telemóvel em modo silêncio para não me chatear. Em parte porque me irritam toques sejam eles de telemóvel ou campainhas ou o que quer que o valha. Não gosto, pronto, embirração minha. Mas constato que a maioria dos indivíduos que se sujeitam, tal como eu, às andanças de autocarros e coisas que tais que nutrem muito apreço às musiquinhas que põem naquela maquineta para serem avisados que estão a receber uma chamada.

     Chamem-me preconceituosa, mas faz-me confusão ver um senhor já com as suas quatro décadas de vida a ouvir o pequeno Saúl no seu telemóvel. E isto tudo num autocarro onde pequenos acontecimentos tomam proporções desmedidas por serem poucas pessoas (nos dias em que tenho sorte) fechadas num espaço pequeno. E constatar que há pessoas - leia-se senhoras com idades entre os trinta e os cinquenta anos - que têm o Melão, a Shakira, o Tony Carreira, ..., como música de eleição para ter como toque é medonho.

       Se calhar, antes de se proceder à escolha do tom preferido, convém pensar em todas as possibilidades em que aquilo pode tocar. Ainda me lembro de uma aula qualquer do ensino básico em que o meu telemóvel começou a tocar e qual era o toque? Uma gravação feita por mim e pelo petiz do meu irmão a dizer qualquer coisa como "Vá, atende o telemóvel. De que estás à espera? Atendee" mas assim com aquele sotaque Africano. Enfim. Vergonha total. A minha ingenuidade na altura era uma coisa terrível. Mas ao menos serviu-me de lição. Já lá vão uns anos e desde aí, até em férias o meu telemóvel não pia. Nada. Silêncio absoluto. E como eu devia haver mais gente a pensar assim...

3 comentários:

  1. Eu ODEIO o Saúl Ricardo.

    Muito provavelmente, se ouvisse tal toque de telemóvel de alguém, iria dar-me uma vontade quase homicida de fazer mal a essa pessoa. Depois não digam que não avisei...

    ResponderEliminar
  2. Mas alguém, no seu estado psíquico normal, gosta de Saúl Ricardo? Alguém?
    Não pode haver.

    E se aquilo que ele faz, que não tem o nome de música, já é mau por si, enquanto toque de telemóvel....

    ResponderEliminar
  3. Alguém há-de gostar, afinal de contas vendeu uns quantos cd's...

    E nem imaginas a quantidade de saloiada que há por esse Portugal fora, por isso não me espanta nada.

    ResponderEliminar