Páginas

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Falar ao telemóvel em espaços públicos

       Eu detesto falar os telemóvel e até já o tinha referido aqui há tempos. Não sei se é do próprio aparelho que de estar muito tempo junto à cara me dá um mau estar terrível - dores no braço, na orelha, ... - ou se é por achar aquilo tremendamente impessoal. Não se conseguem ver expressões o que torna tudo muito mais monótono levando a conversas chatas de ocasião.
        Mais mais do que não gostar de falar ao telémovel nem gosto que ele toque em público e por isso tenho-o sempre em silêncio para não incomodar ninguém. Pois parece que isto está longe de ser a opinião comum. Se não bastasse ter de levar com toques que levam os meus tímpanos à loucura - a terceira idade tem um gosto peculiar na hora de escolher o toque de chamada - sou obrigada a saber os detalhes da vida pessoal de todos os viajantes do autocarro, das senhoras velhotas nas ruas, dos senhores velhotes no cáfe... Não há ninguém que lhes explique que quando se fala ao telemóvel não é preciso projectar a voz até ao lugar onde a outra pessoa está a atender/telefonar?

         Na minha escola secundária havia lá uma miuda meio avariada das ideias que falava para aquele aparelho demoníaco todo o dia. E quando digo todo o dia não estou a exagerar. Ela lá andava, com calças de cintura descaída, uma pança substancial e tops curtos sempre, friso o sempre, com o telemóvel no ouvido a falar, creio eu, sozinha. Tenho sérias dúvidas que existam conversas assim tão interessantes que se tenham umas 15h por dia, todos os dias. Eu nem sequer me lembro da rapariga sem estar pendurada a falar ao telemóvel enquanto circulava a passo acelerado. E ainda me recordo de meia dúzia de conversas com o "namorado", termo que ela usa para designar "personagem fictícia".
    
         Não gosto de telemóveis, pronto. Se há coisa em que tenho uma mente "tradicional" é nisto. Sou adepta das cartas. Das conversas cara-a-cara. E dos emails. Até das mensagens. Tudo menos chamadas telefónicas.

         Salvo a excepção da senhora minha mãe com quem falo regularmente só porque sim. 

3 comentários:

  1. Pois, realmente é bastante incomodativo ter alguém perto de nós, seja no autocarro, numa fila de espera, no centro de saúde ou noutro lugar qualquer, a contar a vida toda ao telemóvel e num tom acima do suportado pelos tímpanos. Enfim, hoje em dia o telemóvel é um objecto indispensável.

    ResponderEliminar
  2. O telemóvel transforma as pessoas em bichos desagradáveis. Sei a vida de imensa gente sem conhecer as pessoas em questão! É incrível.

    ResponderEliminar
  3. Compreendo. E quando envias mensagens não consegues entender qual a reacção da pessoa que está do outro lado. Isso é que me incomoda mesmo. Enviar uma SMS e não saber o que pensa ou não saber como reagiu a pessoa do outro lado da linha. Enfim, é a tecnologia que temos. E cada vez está mais avançada!

    ResponderEliminar