Páginas

sexta-feira, 15 de maio de 2015

Quanto a isso das fotos chocantes nos maços de tabaco

          Tenho algumas reticências quanto à real eficácia desta coisa de apetrechar os maços com fotos macabras. Nunca fumei, nunca tive qualquer tipo de vícios para além das gordices no geral. Assim, não consigo sequer imaginar qual é o efeito que tem pegar num maço com o selo do "fumar mata" e pegar noutro com corpos putrefactos e afins. 

         Assumindo que estas imagens são fortes dissuasórias do tabagismo por que razão são então apenas aplicadas a este vício? Somos atacados, todos os dias, das mais variadas formas, com os valores absurdos da obesidade e as suas consequências. É falada como a grande epidemia do século XXI. Se é razoável anexar fotos de caixões aos maços de tabaco, não o é nas embalagens de produtos ricos em gorduras trans? 

         Se combatemos o tabagismo com imagens de pulmões, não combatemos o alcoolismo com imagens de fígados?


          Lá está, nunca fumei, nunca estive numa situação em que me permita avaliar o impacto das fotos. E mesmo que o causem, continuo com dúvidas que este seja o melhor meio de fazer passar a mensagem. No limite, surge um negócio de bolsinhas bonitas para enfiar os maços e ultrapassar este pequeno entrave a poder fumar em paz.
          

3 comentários:

  1. Não me parece que sejam essas fotos que vão acabar com os fumadores (e eu sou uma), mas o Governo é que sabe! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Governo, na verdade, nem tem interesse que os fumadores deixem de o ser. Perdem receita.
      O que me leva a perguntar porque insistem nesta medida tonta. Investir mais em educação, sim. E que cada um tome a decisão que quiser, desde que informados. Agora fotos em maços, por favor...

      Eliminar
  2. E se os pacotes de bolachas e os refrigerantes passassem a ter uma imagem de obesidade ou um orgão cheio e gordura...? Pois, não sei. Mas uma coisa digo: nunca pensei que a indústria tabaqueira fosse um dia se transformar num monopólio abalado nos alicerces. Tudo pode acontecer

    ResponderEliminar